Surgical ManeuversPublication Exclusive

Laser de femtosegundo ajuda em caso de cirurgia de catarata complexa

O Catalys foi utilizado em uma paciente com catarata dura, olhos fundos e pequenas fissuras na pálpebra.

Geralmente, a cirurgia de catarata é segura e fácil de realizar, em especial para os cirurgiões de olhos experientes. No entanto, o grau de dificuldade cirúrgica ao realizar a facoemulsificação frequentemente se assemelha ao grau de densidade da catarata enfrentado pelo cirurgião.

Thomas “TJ” John

A facoemulsificação pode ser desafiadora ao lidar com uma catarata muito dura e brunescente com um córtex epinuclear de proteção decrescente entre o núcleo duro e a cápsula frágil. Se a lente for relativamente instável com zônulas comprometidas, acentua ainda mais a dificuldade cirúrgica. O possível dano colateral nestes casos mais difíceis de facoemulsificação pode afetar a íris, córnea e/ou endotélio corneano, o que pode comprometer os resultados pós-cirúrgico e resultar em um paciente infeliz que possa precisar de cirurgia adicional, como uma ceratoplastia do endotélio, se o endotélio corneano não se recuperar do trauma cirúrgico prolongado. A combinação de uma cápsula frágil e catarata brunescente com falta de córtex de proteção possivelmente possa contribuir ao bloqueio capsular-lenticular durante a hidrodissecção ou, inclusive, um núcleo removido. Os cirurgiões aprimoram e modificam continuamente suas técnicas cirúrgicas para ajudar a realizar um procedimento faco seguro nestes casos difíceis que podem ser considerados mais estressantes.

A cirurgia de catarata com femtosegundo é uma adição bem-vinda ao âmbito da cirurgia de catarata, especialmente ao lidar com cataratas duras. Pode diminuir a complexidade da cirurgia de catarata e fornecer um procedimento cirúrgico seguro com excelentes resultados pós-cirúrgicos e um paciente feliz.

Nesta coluna, o Dr. Page descreve um caso de catarata dura, ainda mais complicado por olhos fundos e fissuras da pálpebra muito estreitas. – Dr. Tomas “TJ” John, Coluna sobre manobras cirúrgicas da OSN

Uma paciente procurou o tratamento com femtosegundo para corrigir a visão em declínio que afetava seu meio de subsistência como cientista que passava uma quantidade de tempo significativa olhando através de um microscópio. No olho esquerdo, ela teve melhor acuidade visual corrigida de 20/60 durante a vida. Apresentava ambliopia, miopia, pupilas muito pequenas e pequenas fissuras na pálpebra. De criança, a paciente passou por uma cirurgia de estrabismo. Finalmente, também tinha esclerose nuclear significativa com grau III LOCS de 4 para a cor nuclear e opalescência nuclear em ambos os olhos. Após debater as opções cirúrgicas, a paciente decidiu se submeter à cirurgia de catarata assistida por laser de femtosegundo e corrigir a visão a distância, com um erro refrativo pré-cirúrgico de –4 D no olho esquerdo e –6 D no olho direito.

Tratamento

A tentativa inicial de realizar a cirurgia com femtosegundo não foi bem sucedida. Foi difícil encaixar a interface da paciente devido à sua fissura palpebral muito pequena, e embora tenha conseguido colocar a interface no olho e atingido a sucção inicial, perdi sucção durante a realização de imagens e análise. Apliquei novamente a interface e tentei várias vezes, mas sempre perdemos sucção em algum ponto. Atribuo isto aos olhos fundos, à fissura palpebral muito pequena e à cicatrização da conjuntiva em volta do limbo causada pela cirurgia de estrabismo anterior. A paciente não aceitou trocar o plano cirúrgico pela cirurgia tradicional e solicitou outra tentativa com a cirurgia de femtosegundo utilizando uma máquina diferente.

A flange da interface óptica líquida está a aproximadamente 1,8 cm do ponto de contato com o olho. Isto permite que a interface seja posicionada em uma órbita mais profunda com uma fissura palpebral menor.

Imagen: Page TF

Nós reprogramamos a cirurgia no Catalys (Abbott Medical Optics), utilizando uma interface óptica Líquida (LOI) de 12 mm com desenho cônico. Consegui sucção imediata e prossegui no caso com uma única tentativa de encaixe e sem perda de sucção. A capsulotomia foi realizada com sucesso sem nenhuma marca residual e deixando uma capsulotomia de flutuação livre (assistir ao vídeo em Healio.com/OSN/video). A segmentação e fragmentação do núcleo também ocorreram sem complicações. Após uma técnica de corte rápido, com as lentes já fragmentadas pelo laser e irrigação e aspiração padrão, inseri uma LIO Tecnis ZCT225 (Abbott Medical Optics). Repeti o procedimento no olho direito, com quase o mesmo conjunto de circunstâncias, também com uma única tentativa de encaixe e sem complicações.

A paciente atingiu resultados quase planos em ambos os olhos. O olho direito recebeu uma LIO ZCT150 +15.50 (Abbott Medical Optics); um mês após a cirurgia, a acuidade visual não corrigida (UCVA) era de 20/25 com refração de –0.25 +0.50 × 170, que a corrigiu a 20/20. O olho esquerdo amblíope recebeu uma LIO ZCT225 19.0; um mês após a cirurgia, a UCVA era de 20/40 com BCVA de 20/30 plano +0.75 × 005. Aos 90 dias, a UCVA era de 20/20 com uma refração do plano +0.25 × 160.

Conclusão

Um profissional médico educado realizou uma pesquisa independente e determinou que a tecnologia com femtosegundo era a melhor opção disponível para manter a visão e meio de subsistência da paciente. Para abordar a anatomia especial e a cirurgia anterior, o uso da LIO pequena da Catalys permitiu a cirurgia com femtosegundo bem sucedida e foi a solução para este conjunto de circunstâncias fora do comum. Esta é a menor interface do mercado e possui uma forma mais cônica, o que permite a entrada em olhos menores ou olhos posicionados mais atrás na órbita. Em 100% dos meus casos realizados com Catalys, consegui capsulotomias de livre flutuação, sem marcas – um componente essencial para determinar o êxito da cirurgia com femtosegundo. Em minha opinião, o perfil de segurança deste laser me dá total confiança para casos complexos e de rotina.

Divulgação de informações: Page informa que é assessor cirúrgico para a Alcon, Abbott Medical Optics e Bausch + Lomb. John informa não ter interesses financeiros relevantes a serem divulgados.

Geralmente, a cirurgia de catarata é segura e fácil de realizar, em especial para os cirurgiões de olhos experientes. No entanto, o grau de dificuldade cirúrgica ao realizar a facoemulsificação frequentemente se assemelha ao grau de densidade da catarata enfrentado pelo cirurgião.

Thomas “TJ” John

A facoemulsificação pode ser desafiadora ao lidar com uma catarata muito dura e brunescente com um córtex epinuclear de proteção decrescente entre o núcleo duro e a cápsula frágil. Se a lente for relativamente instável com zônulas comprometidas, acentua ainda mais a dificuldade cirúrgica. O possível dano colateral nestes casos mais difíceis de facoemulsificação pode afetar a íris, córnea e/ou endotélio corneano, o que pode comprometer os resultados pós-cirúrgico e resultar em um paciente infeliz que possa precisar de cirurgia adicional, como uma ceratoplastia do endotélio, se o endotélio corneano não se recuperar do trauma cirúrgico prolongado. A combinação de uma cápsula frágil e catarata brunescente com falta de córtex de proteção possivelmente possa contribuir ao bloqueio capsular-lenticular durante a hidrodissecção ou, inclusive, um núcleo removido. Os cirurgiões aprimoram e modificam continuamente suas técnicas cirúrgicas para ajudar a realizar um procedimento faco seguro nestes casos difíceis que podem ser considerados mais estressantes.

A cirurgia de catarata com femtosegundo é uma adição bem-vinda ao âmbito da cirurgia de catarata, especialmente ao lidar com cataratas duras. Pode diminuir a complexidade da cirurgia de catarata e fornecer um procedimento cirúrgico seguro com excelentes resultados pós-cirúrgicos e um paciente feliz.

Nesta coluna, o Dr. Page descreve um caso de catarata dura, ainda mais complicado por olhos fundos e fissuras da pálpebra muito estreitas. – Dr. Tomas “TJ” John, Coluna sobre manobras cirúrgicas da OSN

Uma paciente procurou o tratamento com femtosegundo para corrigir a visão em declínio que afetava seu meio de subsistência como cientista que passava uma quantidade de tempo significativa olhando através de um microscópio. No olho esquerdo, ela teve melhor acuidade visual corrigida de 20/60 durante a vida. Apresentava ambliopia, miopia, pupilas muito pequenas e pequenas fissuras na pálpebra. De criança, a paciente passou por uma cirurgia de estrabismo. Finalmente, também tinha esclerose nuclear significativa com grau III LOCS de 4 para a cor nuclear e opalescência nuclear em ambos os olhos. Após debater as opções cirúrgicas, a paciente decidiu se submeter à cirurgia de catarata assistida por laser de femtosegundo e corrigir a visão a distância, com um erro refrativo pré-cirúrgico de –4 D no olho esquerdo e –6 D no olho direito.

Tratamento

A tentativa inicial de realizar a cirurgia com femtosegundo não foi bem sucedida. Foi difícil encaixar a interface da paciente devido à sua fissura palpebral muito pequena, e embora tenha conseguido colocar a interface no olho e atingido a sucção inicial, perdi sucção durante a realização de imagens e análise. Apliquei novamente a interface e tentei várias vezes, mas sempre perdemos sucção em algum ponto. Atribuo isto aos olhos fundos, à fissura palpebral muito pequena e à cicatrização da conjuntiva em volta do limbo causada pela cirurgia de estrabismo anterior. A paciente não aceitou trocar o plano cirúrgico pela cirurgia tradicional e solicitou outra tentativa com a cirurgia de femtosegundo utilizando uma máquina diferente.

A flange da interface óptica líquida está a aproximadamente 1,8 cm do ponto de contato com o olho. Isto permite que a interface seja posicionada em uma órbita mais profunda com uma fissura palpebral menor.

Imagen: Page TF

Nós reprogramamos a cirurgia no Catalys (Abbott Medical Optics), utilizando uma interface óptica Líquida (LOI) de 12 mm com desenho cônico. Consegui sucção imediata e prossegui no caso com uma única tentativa de encaixe e sem perda de sucção. A capsulotomia foi realizada com sucesso sem nenhuma marca residual e deixando uma capsulotomia de flutuação livre (assistir ao vídeo em Healio.com/OSN/video). A segmentação e fragmentação do núcleo também ocorreram sem complicações. Após uma técnica de corte rápido, com as lentes já fragmentadas pelo laser e irrigação e aspiração padrão, inseri uma LIO Tecnis ZCT225 (Abbott Medical Optics). Repeti o procedimento no olho direito, com quase o mesmo conjunto de circunstâncias, também com uma única tentativa de encaixe e sem complicações.

A paciente atingiu resultados quase planos em ambos os olhos. O olho direito recebeu uma LIO ZCT150 +15.50 (Abbott Medical Optics); um mês após a cirurgia, a acuidade visual não corrigida (UCVA) era de 20/25 com refração de –0.25 +0.50 × 170, que a corrigiu a 20/20. O olho esquerdo amblíope recebeu uma LIO ZCT225 19.0; um mês após a cirurgia, a UCVA era de 20/40 com BCVA de 20/30 plano +0.75 × 005. Aos 90 dias, a UCVA era de 20/20 com uma refração do plano +0.25 × 160.

Conclusão

Um profissional médico educado realizou uma pesquisa independente e determinou que a tecnologia com femtosegundo era a melhor opção disponível para manter a visão e meio de subsistência da paciente. Para abordar a anatomia especial e a cirurgia anterior, o uso da LIO pequena da Catalys permitiu a cirurgia com femtosegundo bem sucedida e foi a solução para este conjunto de circunstâncias fora do comum. Esta é a menor interface do mercado e possui uma forma mais cônica, o que permite a entrada em olhos menores ou olhos posicionados mais atrás na órbita. Em 100% dos meus casos realizados com Catalys, consegui capsulotomias de livre flutuação, sem marcas – um componente essencial para determinar o êxito da cirurgia com femtosegundo. Em minha opinião, o perfil de segurança deste laser me dá total confiança para casos complexos e de rotina.

Divulgação de informações: Page informa que é assessor cirúrgico para a Alcon, Abbott Medical Optics e Bausch + Lomb. John informa não ter interesses financeiros relevantes a serem divulgados.